wikibeth ASKED:
percabeth *-*

Percy ouviu passos no deque de madeira.

Imediatamente, se sobressaltou. Era depois do toque de recolher, e, se alguma harpia o pegasse ali, ele estaria lindamente ferrado.

Porém, ao invés de uma criatura horrenda, ele viu exatamente o contrário. Cabelo loiro, com uma mecha cinza que combinava com a que ele também tinha no cabelo. Um vislumbre de pequenas corujinhas que lhe serviam como brincos.

Annabeth.

"Não consegue dormir?" Ele perguntou. Ela apenas fez que sim com a cabeça. Percy sabia quando ela não queria conversar. Ela deveria querer, no entanto. Não faria sentido vir ao deque do lago só para ficar em silêncio, olhando a paisagem.

Foi o que fizeram, no entanto. Em silêncio. Percy conseguia ouvir a respiração de Annabeth. Ela estava gripada? Ou… Estivera chorando?

"Você pensou nisso?" Perguntou ela de repente. Percy não acompanhava os pensamentos dela - ninguém acompanhava.

"O quê? No quê?"

"Em… Em ficar. Lá. Em Ogígia." Percy olhou para ela e viu seus olhos manchados, seu cabelo desarrumado, e percebeu o quanto ela estivera preocupada com ele. Aquilo fez seu coração doer um pouquinho, porque era sua culpa.

"Aham." Ele soltou, baixo.

"Porque não ficou?" Ela perguntou, a voz triste. Por duas semanas, ela achou que tinha o perdido, que nunca mais o veria, que era culpa dela. E ali estava ele, dizendo coisas que ela preferia não ouvir.

"Eu pensei bastante nisso, sabe." Percy disse, como se fosse fácil dizer a ela essas coisas. "Em ficar lá, para sempre. Deixar tudo isso aqui." Ele fez um gesto com a mão para a paisagem. "Em deixar a profecia," ele suspirou levemente e respirou fundo. "Em deixar você."

Annabeth reteve algumas lágrimas e colocou os joelhos para cima, abraçando-os.

"Talvez eu devesse," ele disse, apoiando-se um pouco para trás com as mãos. "Seria muito mais fácil."

"Para você, talvez," ela rebateu, a voz agora não cheia de tristeza, mas de raiva, de dor, e, acima de tudo, de ciúmes. Em resposta, ele uniu as sobrancelhas.
"Você sabe como é difícil viver sabendo que a cada dia estou a um dia mais próximo de destruir o mundo? Saber que quando você fizer dezesseis anos, sua vida vai acabar? Saber que, não importa o que você faça, não vai adiantar porque no fim de tudo você provavelmente vai estar no inferno?"

Annabeth olhou para baixo, uma lágrima caindo de seus olhos. Ela não sabia o que dizer em resposta aos medos dele, e era a primeira vez que ela estava completamente sem palavras. “O que você quer que eu diga?” Ela perguntou, suavemente, mais algumas lágrimas caindo. Percy franziu as sobrancelhas novamente.

"O que você deveria dizer? Não há nada para dizer," a voz dele também estava mais suave, porque ele sabia que não deveria descarregar seus problemas nela. Não agora, quando ele estava tão feliz por tê-la de volta. "Eu não fiquei," ele disse, pausando e encontrando os olhos cinzas com os seus verdes, "porque o simples pensamento de te perder me machucava mais do qualquer coisa que já me aconteceu."

Annabeth não disse nada. Encostou a cabeça em seu ombro, sentindo o cheiro dele; algo de que ela havia sentido falta. Ela tentou segurar o fato de que ele estava lá e de que não iria a lugar algum - não por mais ou menos um ano, mas o pensamento da profecia se aproximando a deixava nervosa.

Percy inclinou a cabeça contra a dela e fechou os olhos, também se segurando ao fato de que ela estava ali. Seu cabelo com cheiro de limão, seus olhos de tempestade, seu gênio de sabe-tudo - ele sentira a falta de Annabeth mais do que gostaria de admitir. Ele já a perdera uma vez, em Westover Hall, e não a perderia de novo.

"Você poderia ter ficado," ela finalmente disse, quebrando o silêncio. "Você poderia ter escapado da profecia idiota e não ter que se preocupar." Ela pausou, recuperando o ar. "Foi idiota você ter voltado. Lá, pelo menos, você poderia ter sobrevivido. Teria um aniversário de dezesseis anos, mas não teria que se preocupar com o mundo querendo te marar." Podia ser estúpido, mas ele riu em resposta.

"Sim, eu poderia, e foi idiota de eu ter voltado," ele disse, "mas não é por nenhuma razão que você me chama  de Cabeça de Alga, não é?"

Pela primeira vez em duas semanas, ela sorriu.

-

Eles ficaram por ali até o sol se por e mais duas horas depois disso. Eles brincaram, apostaram corrida, deitaram-se na areia e olharam o céu e as estrelas, mas não disseram nada. Não havia nada a ser dito. As coisas estavam para ficar complicadas - a guerra, a profecia, o aniversário dele - mas, por enquanto, eles só estavam felizes por terem um ao outro, e isso era tudo de que eles precisavam.

~x~x~x~

Nossa, ficou graaande LOL

ainda aceito mais viu povo

  1. annabethchasy posted this